notícia

É possível

Convicto no trabalho e confiante no elenco, Barroca mantém ambição no Brasileirão
Atualizado em 13-09-2019, 15:33

O Botafogo treinou pela última vez no Rio de Janeiro antes da viagem para Fortaleza, local da partida diante do Ceará, sábado, no Castelão. Na 10ª colocação com 26 pontos somados, o Fogão de Eduardo Barroca segue vivo no Campeonato Brasileiro e a convicação do treinador no trabalho desenvolvido, aliado ao comprometimento do elenco, permite ao comandante acreditar em metas ambiciosas mesmo diante do cenário financeiro delicado. E a meta é a classificação para a Copa Libertadores da América.

- Claro que é possível. A gente vai disputar uma quantidade grande de jogos, 60 pontos, e claro que podemos. Sempre falei que o nosso maior desafio é com a gente mesmo. Precisamos manter o alto nível de jogo, o comprometimento que eles tem tido e a formação que estão se dedicando em momentos adversos. Ficamos um período sem ganhar e os jogadores continuaram dedicados e esse é um indicativos que podemos ir longe dentro da competição - disse o treinador.

Para o confronto diante do Ceará o Botafogo terá mudanças. Gilson, com desconforto, dará lugar ao jovem Lucas Barros e Carli, com dores na panturrilha, sai para a entrada de Marcelo Benevenuto. Em contrapartida Pimpão retorna de lesão e ficará à disposição no banco de reservas. Gabriel, de fora do último jogo por questão contratual envolvendo o Atlético Mineiro, retornará ao time.

- A equipe do Ceará é muito bem organizada e o Enderson é um cara que tem um trabalho muito bom. Sabemos que a torcida deles vai lá, comparece, mas não podemos mudar aquilo que construímos. Temos uma forma de jogar, uma equipe base e precisamos fazer um jogo de imposição diante de uma equipe muito bem treinada.

Confira os demais trechos da entrevista coletiva de Eduardo Barroca:

FERNANDO E MARCINHO

- Gostei. O Fernando é um jogador que tem um aproveitamento muito bom, dá uma consistência para nossa linha de quatro, de boa estatura e agressividade na bola aérea defensiva. Ajuda muito defensivamente e, além disso, passa pelo lado. O Marcinho pode jogar em mais de uma função. Muda um pouco, o Marcio joga mais com a perna direita pelo lado direito e o jogo fica mais de cruzamento que articulação com perna oposta para jogar por dentro. Mas gostei da interação dos dois e precisei mudar no segundo tempo pelo cartão do Fernando. Espero que eles ainda possam crescer mais com essa dobradinha pelo lado direito.

JOÃO PAULO

- O João Paulo é um jogador extremamente importante na questão de entendimento de jogo, comprometimento tático. Ele lidera todos os quesitos de correr e em todos jogos que atua é o de maior volume. Um jogador que entrega muito trabalho para nós e que passa por um processo ainda de ganhar confiança em algumas situações específicas após a lesão que teve. Tenho muita confiança, gosto muito do trabalho dele e nos ajuda dentro e fora de campo.

O ANDAMENTO DO TRABALHO

- Na verdade eu falei isso desde que cheguei. Não tenho uma referência anterior por ser meu primeiro trabalho e isso é difícil. Meu objetivo continua sendo, até o final do primeiro turno, ter o melhor resultado positivo de uma forma que nos dê orgulho de representar um clube da grandeza do Botafogo. Acredito que estamos cumprindo isso muito bem, independentemente da pontuação o Botafogo foi competitivo contra equipes muito fortes e usou os jovens jogadores. Nas mudanças que precisamos fazer sempre fomos lineares e temos feito uma competição sabendo tudo aquilo que precisamos crescer. Estou satisfeito, não com a pontuação, que isso acredito que sempre podemos melhorar, mas com a forma que tem sido feito, com a dedicação dos jogadores.

O PROFISSIONALISMO DOS JOGADORES

- Nem estou precisando ter muito esse trabalho, está partindo deles. Os jogadores me procuraram e me pediram para que fosse o elemento que cobrasse deles excelência profissional. Estão muito cientes do lado desportivo e para mim tem sido muito simples trabalhar com esse comprometimento. O mérito é deles, me cobram para que possa ajudá-los. O nível de cobrança não foi alterado e a consequência disso é um grupo de jogadores que luta em todos os jogos.

PROTEGIDOS

- Temos cuidado muito do nosso trabalho, os jogadores se envolvem diretamente com os funcionários. Vou lembrar o período que a gente oscilou nos resultados e eles cuidaram até de mim como treinador, vindo aqui e protegendo o trabalho. No momento que um ou outro jogador não atravessa um bom momento a gente consegue fazer esse cara voltar. Esse é o ponto chave, a mobilização de todos para levar o Botafogo o mais longe possível no Campeonato Brasileiro.

MELHORA NA PARTE OFENSIVA

- Venho cobrando dos jogadores para a gente amplie as nossas formas de finalização das quatro formas que existem. Finalizando de fora da área, melhorando o desempenho de bola parada, preenchendo a área nos cruzamentos e, principalmente, melhorando o índice de infiltrações. Temos trabalhado bastante isso nos treinamentos.

MESMA CARGA DE TRABALHO POR HÁBITO COLETIVO

- Sempre que você consegue repetir a equipe é possível uma concatenação entre jogadores e os setores. Naturalmente não vamos conseguir em todas as partidas no campeonato de longa duração e por isso tento treinar todos da mesma maneira, dar isonomia para eles para que tenham a lógica do jogo coletivo, o hábito para se desenvolver dentro do jogo.

Assessoria de Imprensa