notícia

Merecia melhor sorte

Zé Ricardo vê Botafogo superior no clássico e lamenta empate
Atualizado em 10-10-2018, 10h00

O Botafogo pressionou, jogou em cima, criou oportunidades até o fim, teve dois a seu favor não marcados e merecia ter vencido o Vasco, nesta terça-feira. Entretanto, ficou no empate em 1 a 1, no Estádio Nilton Santos. O técnico Zé Ricardo lamentou o resultado, por entender que o time poderia ter conquistado os três pontos.

Confira os principais trechos da entrevista do treinador:

RESULTADO

- Empate ruim para os dois, ambições parecidas nesse momento no campeonato. Pelo fato de jogar em casa e ser ligeiramente superior, fica um sentimento amargo. Mas entendo que é um clássico, cercado de ansiedade, momentos turbulentos, tendo que administrar pressão.

FASE DE LUIZ FERNANDO

- É um jogador talentoso, está em evolução, vem com probleminha no joelho, precisamos tirar de alguns treinos, deve ganhar um ou dois dias para recuperar. Falei que seria importante ele se doar 200% no jogo de hoje, deu certo.

MUDANÇAS

- Gostei da entrada do João Pedro, jogador extremamente inteligente, vem treinando muito bem, e é um jogador muito tático. Precisava retomar o meio de campo. Pimpão foi uma mudança natural, poderia entrar antes, mas a gente sempre espera algo do Erik. E a outra por desgaste do Kieza. Temos uma semana inteira para mais uma final para a gente que vai ser contra o Ceará em Fortaleza.

OFENSIVIDADE

- O Botafogo jogou o tempo todo tentando os três pontos, fez substituições tentando isso. João Pedro é mais ofensivo que o Bochecha, tanto o Pimpão quanto o Brenner foram substituições naturais para dar ânimo. Tentamos jogo aéreo também.

- O primeiro tempo foi mais agitado, concordo. Uma equipe ser derrotada num jogo desse é ruim, perto da zona, mas Botafogo foi até o final tentando os três pontos. Se tivesse que ter um vencedor, futebol não tem justiça, mas deveria ser o Botafogo.

SEQUÊNCIA

- Importante o dado de quatro jogos sem perder. Falta um pouquinho mais de tranquilidade pela pressão que é jogar nessa zona. Nosso grupo é jovem, isso pesa um pouquinho. Mas a gente está no caminho, mostra evolução, nosso meio é leve. Em determinado momento a gente perde a volúpia defensiva. Quando perde isso, o adversário ganha volume, e foi o que aconteceu na reta final do primeiro tempo. Isso prejudicou a gente, mas no segundo a gente esteve mais compacto, mais próximo no ataque. Foi um passo à frente.

ARBITRAGEM

- Muito difícil falar de arbitragem, não gosto. Falei há duas rodadas, ser árbitro é uma profissão muito difícil. A gente tem que tentar ajudar a arbitragem. Eu compactuo com a ideia do VAR. Por mais que tenha vigias, é difícil, são decisões.

- Essa decisão é mais institucional. Sempre é uma situação muito complicada até porque acho o Ricardo (Marques Ribeiro) um grande árbitro. Mas é um estilo de apitar, não tem como reclamar disso. Talvez seja um dos mais experientes, árbitro do nível A da CBF. É muito difícil arbitrar, ainda mais as rodadas chegando ao final, a pressão é grande em cima deles. A gente tenta entender os critérios e espera só que nas rodadas que faltam não tenhamos problemas em relação a isso.

- Contra o Grêmio tivemos dois pênaltis no Carli. Hoje um lance passível de discussão, talvez? Mas critério não foi o mesmo. Sobre Kieza, queria entender um artilheiro na frente do gol porque não iria finalizar aquela bola. Não conversei com ele, mas os lances estão aí. Não queremos ser ajudados e nem prejudicados. Critérios precisam ser mais claros.

BOCHECHA EVOLUINDO

- Atleta em evolução, teve contusão muito grave quando subiu, falta um vigor maior físico na função que joga, temos feito isso, uma preparação especial pra ele. Acredito que com ritmo de jogo e constância, tem tudo para evoluir. Menino com muito talento, visão ampla do jogo. Conforme for produzindo, vai ganhando mais.

MOISÉS

- Seria fácil para mim tirar jogador, apontar que a culpa tinha sido dele, mas não é o que penso. Atleta importante, assim como o Gilson e o Yuri. Conversei com ele sim, tem que aprender com essas situações. Jogador é cobrado, mas tem oportunidade de se redimir. Ele se sentiu incomodado no primeiro tempo, mas tive uma conversa com ele no intervalo, e ele fez um segundo tempo de melhor nível. A gente vai continuar dando confiança para ele.

ERIK

- Contra o São Paulo no primeiro tempo foi bem, no segundo pelo desgaste do jogo em si. É um jogador que se movimenta bastante, dá muita opção. Hoje foi um pouquinho parecido com isso, nosso crescimento se deve ao fato de ele estar ali. Pimpão tem características próximas a dele, queríamos nas duas laterais um volume ofensivo. Então nada específico, ele está se sentindo bem, tem muito comprometimento, daqui a pouco ele volta a ter boas atuações novamente.

Botafogo de Futebol e Regatas