notícia

Às claras

Em coletiva, Emerson esclarece protestos diante do Bahia e luta por futebol mais justo
Atualizado em 18-09-2014, 22:20

Um jogo de pouco futebol e muitos lances polêmicos envolvendo a arbitragem. Diante do Bahia, no Maracanã, o Alvinegro vencia por 2 a 1 no primeiro tempo e na segunda etapa, com dois atletas expulsos, o resultado virou para 3 a 2. Envolvido em uma das expulsões do árbitro Igor Junio Benevenuto, o atacante Emerson Sheik concedeu entrevista coletiva no Stadium Rio e deixou claro o motivo dos seus protestos em campo e diante das câmeras: o direito de se expressar.

- A gente não vai pode falar nunca? Eu não posso desabafar? É proibido eu dar minha opinião? Eu vivo isso diariamente, o futebol existe por causa dos jogadores e se nós não podemos participar dessa discussão está tudo errado mesmo. O jogador de futebol está acostumado a ouvir comentários de que é burro, que é ignorante. O “Vim aqui para conquistar os três pontos, se Deus quiser”. É uma ignorância pensar isso. É ser muito ignorante pensar algo do tipo. Não estou induzindo ninguém a nada. Não quero entrar em assunto de punição, porque daqui a pouco vou começar a falar demais. Eu só me expressei e desabafei. Talvez o lugar não fosse o lugar adequado. Vou deixar um dever de casa para vocês. Aconteceu uma situação envolvendo um árbitro em um jogo e um atleta. Qual o final da história? Aí vão querer me punir porque falei o que eu penso? Tenho direito de participar de tudo isso, porque faço parte e vivo isso. Não trabalhei na padaria e caí aqui de paraquedas. Tenho o direito de fazer parte disso, declarou Emerson.

Experiente, Emerson passou por muita coisa no futebol. Sobre o desabafo diante das câmeras, o atacante de 36 anos manteve sua posição de protesto, mas reconheceu que talvez não tenha escolhido o melhor lugar para emitir sua opinião.

- O atleta tem todo o direito de se manifestar. Talvez o momento, dentro de uma partida, dentro de um estádio, não seja o lugar exato para se manifestar da maneira como me manifestei. Mas os atletas têm, sim, direito de opinar e de fazer parte da discussão, disse o atacante.

Diante do Bahia o Botafogo foi prejudicado, mas os questionamentos de Emerson não se limitam a um jogo. Segundo o atacante, o Alvinegro tem sido prejudicado em outros jogos, inclusive na Copa do Brasil.

- Primeiro, não é o erro apenas da partida entre Botafogo e Bahia. São erros que vêm acontecendo ao longo da competição. Relatado algumas vezes por alguns atletas, inclusive por mim. Vale lembrar que há poucas semanas, teve um pênalti contra o Ceará, que logo em seguida eu me manifesto contra a arbitragem. Não tem nada a ver com o jogo especificamente. São erros que vem ocorrendo há muito tempo, lembrou Emerson.

Vitorioso, Emerson entra em campo com objetivos além de resultados e entende que pode contribuir para uma melhora no futebol, principalmente na participação dos atletas.Para o atacante, os atletas são parte principal do espetáculo do futebol e devem expor suas ideias sobre o seu trabalho.

- Desde moleque sempre fui apaixonado pelo o que faço. Meu sonho era ser atleta profissional, e é muito triste, hoje, ver o que eu mais sonhei em toda a minha vida... ver tudo isso o que está acontecendo... É só ver que há uma rejeição em relação a nós atletas quando abrimos a boca para opinar. Não sei por que não podemos desabafar, não podemos dar nossa opinião sobre a CBF? A gente não pode falar? Por que o atleta não pode falar? Vergonha, ignorância é querer punir um atleta por que ele se manifestou, deu a sua opinião, isso sim é ignorância. Em nenhum momento quis ser polêmico, só falei o que eu acho. E o que eu acho é o que muitos acham, mas poucos tem coragem para falar. Eu falo, disse.

O próximo compromisso do Botafogo pelo Campeonato Brasileiro será no sábado, às 21h, diante do Criciúma, no Estádio Heriberto Hulse, em partida válida pela 23ª rodada.

Marcos Silva