notícia

Pronto para o desafio

Marcos Paquetá é apresentado, elogia disposição do elenco e promete empenho máximo
Atualizado em 28-06-2018, 18:25

O treinador Marcos Paquetá foi apresentado oficialmente na tarde desta quinta-feira no Estádio Nilton Santos. O comandante, que já iniciou seu trabalho com o elenco e comissão técnica desde o início da semana, recebeu as boas vindas da alta cúpula alvinegra e inicia sua trajetória no Glorioso com o total apoio da diretoria. Na mesa, o Presidente Nelson Mufarrej, o VP Geral Carlos Eduardo Pereira, o VP de Futebol Gustavo Noronha e o Gerente de Futebol Anderson Barros reforçaram a confiança no novo treinador que retorna ao seu país por glórias.

- Precisávamos de um treinador que não desse descontinuidade ao trabalho que já vinha sendo realizado no Botafogo e isso é muito importante. Dentro desse momento começamos a ver a pessoa do Marcos Paquetá por conta da sua experiência do trabalho que ele realizou no exterior, além dos títulos com a seleção brasileira Sub-17 e Sub-20. Ele passou a atenção dos países árabes e passou muitos anos por lá. Houve o nosso convite e ele prontamente aceitou. Ficamos felizes, é o perfil que procurávamos e quero desejar sorte. Que possa realmente desenvolver seu trabalho. Capacidade e experiência para isso ele já provou que tem. Isso nos motivou para trazê-lo ao Botafogo. Que seja feliz no Botafogo e que possa trazer muita alegrias ao torcedor botafoguense. Ainda temos a sequência do Campeonato Brasileiro, a Copa Sul-Americana e tenho certeza que teremos sucesso - disse o Presidente Nelson Mufarrej. 

Na sequência foi a vez do Ex-Presidente e atual VP Geral Carlos Eduardo Pereira reforçar o apoio ao novo profissional alvinegro.

- É um prazer grande estar aqui com vocês matando um pouquinho da saudade dos nossos encontros. Estamos confiantes com a chegada do Paquetá. É um grande desafio pegar um elenco que ele não escolheu em meio aos campeonatos. Foi escolhido com cuidado e desejamos muito sucesso no Botafogo - falou CEP.

O VP de Futebol Gustavo Noronha também desejou sorte ao novo comandante e também aproveitou a oportunidade para agradecer os serviços prestados por Alberto Valentim, treinador que conquistou o Campeonato Carioca de 2018 e saiu por novos desafios na carreira, mas com as potas abertas no Glorioso. 

- Queria antes de mais nada me dirigir com poucas palavras ao Alberto, um treinador que se dedicou muito e que foi correto conosco durante todo o processo da sua saída também. Fica o nosso agradecimento e o desejo de sorte na sua carreira. Boas vindas ao Paquetá, um treinador escolhido com muito cuidado pela comissão. O Anderson fez um trabalho minucioso e o nome do Paquetá esteve presente desde o primeiro momento nesse processo. Ele chega com o respaldo da diretoria do Botafogo. Já tivemos uma conversa com os atletas, que o receberam de braços abertos, assim como nossa comissão técnica permanente. Seja bem-vindo, Paquetá! A casa é sua e que sua jornada seja muito feliz e de êxito - desejou Noronha.

Em suas primeiras palavras, Marcos Paquetá reforçou o orgulho de voltar ao Brasil para defender uma grande camisa como a do Botafogo. Preparado, o novo treinador encarou o desafio de peito aberto e garantiu muito trabalho para seguir o processo de reerguimento do Botafogo.

- É um desafio grande retornar ao Brasil numa equipe com grande tradição como o Botafogo, que sempre revelou grandes profissionais e que colaborou muito para a seleção brasileira. Conheci toda a logística do trabalho e sei da capacidade de cada um aqui. Esse foi um ponto mais do que importante para definir minha vinda para o clube. Podem contar com a minha atenção vinte e quatro horas por dia. O Botafogo tem que estar com um patamar elevado de grande clube que sempre foi - disse o comandante. 

Paquetá também dirigiu-se aos botafoguenses de forma especial e vê que os torcedores tem mesmo de cobrar um Botafogo cada vez mais forte, pela tradição do clube, seus grandes ídolos, e pediu para que todos estejam juntos nesse momento de transição. 

- Nós sabemos como é o torcedor do Botafogo. Sei como funciona e acho que tem que ser assim mesmo. O Botafogo é um clube de tradição e só tiveram feras aqui dentro. O momento não é daquelas glórias, mas temos uma equipe competitiva. Não estou aqui para provar nada para ninguém e sim para fazer o melhor pelo clube. Podem cobrar, trabalho não vai faltar. Para se tornar grande é preciso correr risco e é isso que vamos fazer. Sempre com os pés no chão, mas com esse objetivo - frisou. 

Confira a galeria de fotos da apresentação oficial de Marcos Paquetá nas imagens de Vítor Silva/SSPress/BFR!


Apresentação Oficial - Marcos Paquetá

Confira os demais trechos da entrevista coletiva de Marcos Paquetá, o novo treinador do Botafogo!

O RETORNO AO FUTEBOL BRASILEIRO

- A readaptação não existe. Sou brasileiro, né. Estou vindo no momento certo e Deus me iluminou por poder ficar no Brasil até por motivos familiares e me apareceu o convite do Botafogo, que vai de encontro ao meu perfil de trabalho. Conheço bem o elenco. 

A ESCOLHA PELO BOTAFOGO

- A minha vontade sempre foi retornar ao Brasil por várias causas. Foram quinze anos fora e sempre acompanhei os clubes brasileiros. O elenco do Botafogo é muito disciplinado taticamente e de muita determinação, que busca o resultado. Eles buscam se fixar em seus pontos fortes e não se entregam. Isso vai de encontro com o que eu gosto, uma equipe dinâmica e que busca os objetivos sem vaidade. O clube tem sua meta e temos que estar alinhados. Os jogadores também possuem metas e o crescimento deles é muito importante para esse crescimento do Botafogo. 

O INÍCIO DE TRABALHO NO GLORIOSO

- Nesses dois dias eu já consegui introduzir algumas situações de jogo importantes com os atletas e isso traz uma tranquilidade para os atletas. Logicamente teremos um período de adaptação entre nós. O Valentim realizava um ótimo trabalho e vamos fazer um upgrade nisso. A linha de trabalho é parecida e isso facilita o processo.

NOVO MOMENTO

- Quando saí do Brasil era um jovem e precisava arriscar alguma coisa para não ser sempre um treinador da base. Fui para o Avaí fazer meu trabalho e fizemos um trabalho maravilhoso, quando recebi a proposta para ir ao mundo árabe. Quando estava aqui eu era muito jovem para comandar as equipes e agora dizem que sou um pouco mais velho.

PRONTO PARA O CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

- Trabalhei no Iraque e Egito e lá se joga de três em três dias com 38º de temperatura. Isso vai ser tranquilo e vejo como maior dificuldade essa questão da logística, do deslocamento. Sabemos disso e temos o calendário na mão para nos organizarmos o cumprí-lo.

EXPERIÊNCIAS QUE PODEM AGREGAR

- Quando se trabalha fora você acaba enfrentando os treinadores do mundo todo e sempre de qualidade. Ocorre um grande aprendizado no quesito tático e na filosofia de jogo. O treino é visando o jogo sempre, além dos aspecto de Manager, podendo ajudar o clube na formação de atletas. Sabemos que no Brasil a rotatividade dos atletas é grande e os clubes devem estar preparados para isso. 

TREINADOR DA ARÁBIA SAUDITA NO MUNDIAL DE 2006, PAQUETÁ ANALISA A COPA DO MUNDO

- A competição sempre foi de dois critérios bem claros, o da classificação e depois do mata-mata, quando as equipes se postam mais de forma defensiva. O que mudou mais foi a agressividade e a forma dos europeus jogarem, arriscando mais e utilizando mais da condição técnica. 

OS TREINADORES BRASILEIROS NA ÁSIA

- Por um longo período nós reinamos na Ásia e essa coisa diminuiu muito por várias razões. O mercado flutua e o treinador brasileiro é muito capaz, criativo e organizado. O que nós precisamos é qualificar mais os nossos treinadores e também de um órgão que valorize essa profissão.

CONFIANÇA NA COMISSÃO PERMANENTE E AUXILIAR DE FORA EM PAUTA

- Hoje é por organização que todo clube tenha sua comissão técnica permanente e alguns aqui foram inclusive meus atletas. Isso é o suficiente para se trabalhar. Estamos pensando em mais um profissional para auxiliar, mas isso de uma forma integrada ao pensamento do clube. 

Marcos Silva