notícia

Kieza alvinegro

Com família botafoguense e motivação de sobra, Kieza chega para ser feliz no Fogão
Atualizado em 31-01-2018, 21:01

Kieza vestiu a camisa alvinegra e foi apresentado oficialmente no Estádio Nilton Santos. O Glorioso acertou a contratação do atacante de 31 anos por duas temporadas e a motivação do jogador é grande em seu retorno ao Rio de Janeiro. De família botafoguense, Kieza vê no Glorioso a oportunidade de orgulhar seu pai, um "botafoguense raiz", que inclusive esteve presente na apresentação do filho no clube de coração. Sorte, Kieza!

O atacante foi apresentado pelo VP de Futebol Gustavo Noronha, que elogiou a chegada do reforço e ressaltou os desfechos positivos nas negociações de atletas e formulação do elenco para a primeira parte da temporada.

- O Kieza foi um atleta muito pedido pela nossa comissão técnica e tenho certeza que fará uma temporada muito boa. O contrato dele é de duas temporadas e certamente buscaremos as conquistas. Praticamente fechamos um ciclo de contratações com 100% de êxito e a confiança para esse ano é plena. A casa é sua Kieza, seja bem-vindo ao Botafogo - disse Gustavo Noronha.

Em busca da felicidade de outros tempos, Kieza colocou a estrela solitária no peito para voltar a fazer gols e não escondeu a felicidade de voltar ao Rio de Janeiro, Estado que iniciou com sucesso sua trajetória na bola defendendo a equipe do Americano, de Campos.

- Estou muito feliz por poder voltar ao Rio. Foram quase nove anos fora e posso voltar à cidade que praticamente comecei no futebol. Sou muito grato ao Botafogo e espero fazer um grande trabalho aqui para ser muito feliz com o nosso torcedor. Recebi o contato do Anderson Barros (Gerente de Futebol) e não pensei duas vezes. É um cara sensacional e que todos gostam de trabalhar. O Vitória não quis liberar no primeiro momento, mas eu sempre quis vir - disse o jogador.

Veja a galeria de fotos da apresentação oficial de Kieza nas imagens de Vítor Silva/SSPress/BFR!

 

Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Kieza, o novo reforço do Fogão:

O APELIDO "KIEZA"

- O apelido é muito diferente. No começo da minha carreira, ou até hoje, muitos não conseguem falar o meu nome. Comecei na várzea e jogava ao lado do meu primo. O nome dele é Kiel e o treinador, para facilitar, me chamava de Kieza. O apelido acabou pegando.

FAMÍLIA ALVINEGRA

- Não posso prometer nada, ele (pai) é chato pra caramba. Não é só meu pai, tenho muitos botafoguenses na família. Espero fazer muitos gols e conquistar títulos. Espero que possamos recolocar o clube novamente na Libertadores, um lugar que merece estar. Quero ficar aqui por muito tempo.

TRABALHO PROMISSOR

- O começo do trabalho é promissor e esperamos que as coisas fluam naturalmente. É um trabalho muito bem realizado e espero que possamos conquistar o Estadual, que é o nosso objetivo. E que no decorrer do ano a gente possa conquistar títulos e recolocar novamente o Botafogo no lugar que merece estar.

PRONTO PARA JOGAR

- Por mim estarei em campo. Ainda não conversei com o treinador por conta de tempo, mas vou conversar com ele para saber como vamos fazer.

PASSAGEM PELO FLUMINENSE

- Tive uma lesão muito séria no tornozelo e fiquei quase quatro meses parado. Espero que minha passagem no Botafogo seja muito melhor do que foi aquela. Estou muito feliz e empenhado para fazer as coisas da melhor forma possível. Estou muito feliz por voltar para um grande centro do futebol.

PARA SER FELIZ NOVAMENTE

- Me machuquei muito, principalmente no ano passado. Passei por duas cirurgias que me atrapalharam muito. O que eu mais quero agora é voltar a fazer gols, coisa que sempre fiz. Aqui no Botafogo tenho totais condições de voltar a ser o Kieza alegre que sempre fui.

DISPUTA COM BRENNER E BOM AMBIENTE

- É uma disputa sadia e chego para ser mais um. Fui muito bem recebido e o grupo aqui é maravilhoso, muito agradável. Isso é difícil de encontrar nos outros clubes. Aqui no Botafogo se vê que o ambiente é tranquilo, saudável.

CARACTERÍSTICA EM CAMPO

- Eu tenho essa característica de me movimentar muito, mas também fico centralizado para poder fazer os gols. Espero jogar mais centralizado nesse ano. Aqui não temos esse problema de camisa.

Marcos Silva