notícia

Mais uma prova

Jair mantém otimismo e confia em buscar a vaga no jogo da volta
Atualizado em 14-09-2017, 01h00

O objetivo era vencer, mas o empate em 0 a 0 com o Grêmio no Estádio Nilton Santos deixou o Botafogo vivo e forte na luta por uma vaga na semifinal da Conmebol Libertadores Bridgestone. Em entrevista coletiva ao lado do lateral-esquerdo Gilson, o técnico Jair Ventura manteve o otimismo e analisou o primeiro jogo das quartas de final.

Com a vantagem de poder jogar por empates com gols, o treinador garantiu que ninguém vai baixar a cabeça por não ter vencido a primeira partida. Confira os principais trechos da entrevista:

OBJETIVO

- A gente sempre joga para vencer. Vamos sempre fazer nosso máximo, nem sempre é suficiente. Fizemos o nosso máximo, deixamos tudo dentro do campo. João (Paulo) foi assim, pediu para sair. Mas estamos mais do que vivos. Agora só tem gol qualificado para uma equipe. Grêmio queria levar o jogo para decidir em casa. Pode fazer um comparativo com o Flamengo, queremos levar para fazer um final triste ou diferente? Vamos tentar fazer diferente. Contra o Colo-Colo passamos com um empate. Estamos vivos e não vamos deixar essa classificação, não.

ATUAÇÃO DO TIME

- Nosso time estava muito espaçado, conversamos no vestiário e foi unânime. Falo da compactação, quando está na defesa e ataque tira espaços do adversário. Estava perdendo muito a segunda bola, com dois lados muitos distantes. No segundo tempo aproximamos e conseguimos criar algumas oportunidades, melhoramos. Teve um lance do Gilson, uma do Guilherme. Mas foi jogo equilibrado.

LEO VALENCIA

- No último mata-mata o Valencia não tinha condição de jogar, tive que fazer uma adaptação do João para meia. Hoje não, tinha jogador da posição. Você tem jogadores recuperando de lesão, o João pediu para sair. Isso já era mais ou menos previsto. Não mudou nossa maneira de jogar, continuamos com três volantes. A opção foi porque tinha opção, na Copa do Brasil não.

MELHORAR PARA O SEGUNDO JOGO

- Não só neste jogo, mas em todo jogo a gente quer sempre mais. Esse é o nosso pensamento. Vestiário com clima leve, teríamos que fazer dever de casa? Teríamos, mas nem sempre é possível. Se fizer um gol lá, adversário terá que fazer dois.

BRUNO SILVA E MATHEUS FERNANDES

- Discordo que eles foram mal, achei que fizeram boa partida. Difícil manter, mas não acho que foram tão abaixo assim. Meu pensamento foi mudar menos possível da ótima atuação contra o Flamengo. Tive duas situações forçadas na outra, agora só troquei Gilson pelo Victor e a volta do Carli.

LADO PSICOLÓGICO

- Trabalho do treinador não para, não só o meu como o deles. Se o mais pessimista quiser levar pelo lado ruim, pode levar. Mas a gente quer levar pelo bom, o empate do Colo-Colo e a classificação, por exemplo.

LIÇÃO DA COPA DO BRASIL

- A gente não jogou igual, hoje foi disputada, contra o Flamengo foi amarrada. Começa pela nossa performance, o Botafogo jogou melhor. Se pensar que vai pra lá e perder, nem viaja. Vamos para lá para vender caro. Como foi contra o Olimpia, o Colo-Colo. Não duvide muito dessa equipe do Botafogo porque pode se surpreender.

PESO DA CLASSIFICAÇÃO

- Esse peso não vai ser para mim, estou no primeiro ano. Mas esse clube merece, e esse grupo que é maravilhoso, pelo profissionalismo deles. Por eles que a gente merece.

Danilo Santos