notícia

Hora de decidir

Jair Ventura projeta grande semifinal e confia na força do Botafogo
Atualizado em 22-08-2017, 21h57

No primeiro jogo, duas equipes se respeitando, raras chances de gol e 0 a 0 no placar. Na partida de volta, nesta quarta-feira, às 21h45, no Maracanã, Botafogo e Flamengo tem tudo para fazer um grande clássico na semifinal da Copa do Brasil. É o que espera o técnico Jair Ventura.

O comandante alvinegro encerrou a preparação de sua equipe com um treinamento nesta terça, no Estádio Nilton Santos, e se mostrou confiante. Apesar dos desfalques Carli e Rodrigo Pimpão (e de não poder usar Arnaldo, Marcos Vinicius, Valencia e Brenner), ele considera que o Botafogo chega forte para decidir.

Confira os principais trechos da entrevista:

AUSÊNCIA DE CARLI E PIMPÃO

- Duas baixas significativas, mas já passamos por isso no ano. Acreditamos na força do elenco. Quando a bola começa a rolar termos que deixar para trás essas companheiros.

QUALIDADE DO RIVAL

- Tem o poder de decisão de grandes jogadores. Guerrero, que não sabemos se joga, o Diego, o Everton, que foi meu jogador aqui e é um amigo. É claro que lá tem trabalho. Mas os grandes jogadores desequilibram em algum momento. Essa é a situação que preocupa. O Vinícius é um jogador diferenciado. Até por isso já foi vendido.

ACOSTUMADO À PRESSÃO

- Estamos passando por mata-matas desde o início do ano. Estamos acostumados com essa situação. Mas isso não quer dizer que vamos sair na frente e que somos favoritos. Está tudo aberto. Mas estamos acostumados a essa situação.

SUPERAR ADVERSIDADES

- Quanto mais difícil, mais comemorado. É nosso grande rival, mas que seja o clássico da paz. Rivalidade só durante o jogo. Tivemos alguns incidentes fora de campo e que não se repitam. Foi um jogo muito ruim tecnicamente, as duas equipes foram muito abaixo. Por ser o segundo jogo, acredito em um jogo melhor e muito equilibrado.

MISTÉRIO NA ESCALAÇÃO

- Gosto de inventar um pouco e tem muita gente me matando por falar isso (risos). Treinamos algumas variações.

MARCELO OU EMERSON SILVA?

- Posso optar por um zagueiro mais jovem, que é o Marcelo, ou o Emerson Silva, que é um cara mais experiente. Não vai fugir disso. É bom que eu posso escolher.

GUILHERME

- Ele é praticamente, depois da torcida, nosso 12º jogador. Entra praticamente em todos os jogos. Ele tem o poder do drible no um contra um. Quando não iniciamos com ele, você ganha essa situação no segundo tempo. Só temos ele com essa característica, o ideal era ter três ou quatro. Mas o mercado foi muito difícil e não conseguimos. Se ele sair jogando, você já joga o seu curinga de cara. Mas ele já iniciou outros jogos e foi bem. Posso jogar com o curinga no início ou guardar para depois.

VANTAGEM DO EMPATE COM GOLS

- A vantagem seria se tivéssemos vencido a partida. Não conseguimos. Não vejo vantagem. Vejo um jogo totalmente aberto. É lógico que não levamos gol em casa, mas também não fizemos. Tudo pode acontecer. Vamos buscar o equilíbrio. Se conseguirmos um gol, ficaremos ainda mais vivos.

CLÁSSICO DA PAZ

- Estamos sempre zelando pela paz. Vimos agora essa tragédia em Barcelona, ontem no Jacarezinho não sei quantas mil crianças não podendo estudar. Se no esporte, que é educador, começa a acontecer violência, a gente vê que não tem jeito. Tem que ser o clássico da paz. Daqui a pouco não tem mais diversão e alegria. Só pode vencer um amanhã. E quem não conseguir vencer que respeite seu adversário. Que seja de uma forma passiva e sem violência. Que a rivalidade dure apenas durante 90 minutos.

Confira galeria de fotos de Vitor Silva / SS Press / Botafogo do treino desta terça!

 

Assessoria de Imprensa