notícia

Joga quem estiver melhor

Jair Ventura dá devida importância ao clássico e enfrentará o Flamengo como o planejado
Atualizado em 10-02-2017, 20:02

O começo de ano do Botafogo tem sido movimentado, com jogos decisivos pela Libertadores e no Campeonato Estadual. E agora chega o primeiro clássico do ano, domingo, contra o Flamengo, no Estádio Nilton Santos. Preservar jogadores? Ir com força máxima? Respostas que só o treinador Jair Ventura pode dar. Ele conversou com a imprensa e deixou apenas uma certeza: clássico é clássico e o Botafogo dará seu melhor.

- O mais importante é não mudar o planejamento. Sabemos da importância do clássico e do Carioca, mas não podemos correr riscos. Não vamos mudar por conta do adversário, mas vamos usar o que tivermos de melhor dentro de uma condição clínica - disse o treinador.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Jair Ventura:

CONTATO COM ZÉ RICARDO

- Nos encontramos no curso e ficamos bem próximos lá, trocamos bastante. É um cara muito simples. Temos amigos em comum, é oriundo das categorias de base também. Tirando a rivalidade, torço por ele e o Zé por mim. Todos tem espaço no futebol e fico feliz por ele ter permanecido no cargo, assim como eu aqui.

SEM MISTURAR AS COISAS

- Uma vitória ou outro resultado no domingo não vai mudar o nosso pensamento para quarta-feira. Agora é pensar no Flamengo e depois no Olimpia. Vamos jogo a jogo.

VALOR AO CARIOCA

- Vencer é sempre bom, deixa o clima e o dia a dia mais leve. Uma coisa é diferente da outra e temos que virar a chave. Não vamos deixar o Carioca de lado, estamos numa condição complicada na competição e podemos ficar de fora. Vamos dar o máximo para seguir no Estadual, é importante para o clube.

COM O ELENCO NAS MÃOS

- Quando você é justo e age de maneira transparente com seus atletas acaba gerando uma competitividade saudável entre eles. Comigo fica muito claro que todos tem oportunidade, o que eleva o nosso nível técnico dentro do elenco. Isso é bom, todos tem chance e independentemente da idade, do salário e de serem ou não pratas da casa, terão oportunidades.

A IMPORTÂNCIA DE RODRIGO PIMPÃO

- O Pimpão é a cara da nossa equipe. Um cara valente, trabalhador e super profissional. É um exemplo. Está sempre se cuidando, trabalhando e pede até mais trabalho. É o jogador que qualquer treinador quer. É um cara que joga para o time, se entrega de forma motivante dentro da partida. Quando o cara é da maneira que é, acaba fazendo um gol da classificação. Disse a ele que teria a chance do gol e que tinha que ser gelado naquela hora. Não temos bola de cristal, mas dessa vez ele foi muito frio. Uma bela jogada do Roger com o Guilherme e ele, mesmo cansado, foi frio. Se alguém tinha que fazer o gol, era o Pimpão.

TODO CUIDADO É POUCO

- Temos que buscar o equilíbrio também na questão física, para não correr riscos. Hoje temos a ciência para nos ajudar, ver os jogadores que estão mais próximos das lesões. É a hora que entra o planejamento. Imagina se perdemos o jogador? Vê o exemplo do Bochecha, acabamos perdendo o jogador. Por isso temos que preservar os jogadores. Quando fechamos o treino é para tentar esconder alguma coisa do adversário e não para atrapalhar o trabalho da imprensa.

SEM DANCINHA

- Não foi dança, para isso é preciso música. Sou assim, foi espontâneo (risos). Treinador não pensa na comemoração, acabei saindo saltitando na hora. Depois que vi e lembrei. O gol é o grande momento do futebol, amo a minha profissão. Fizeram muitas coisas lá, passamos por algumas coisas no Chile mesmo os tratando muito bem aqui. Enfim, jogamos futebol.

PAPO CABEÇA COM ROGER

- A gente acabou jogando sem o atacante de referência, foi uma estratégia que adotamos. O chamei para conversar e disse que precisava de uma situação mais estratégica naquele jogo e me disse que se fosse ele faria a mesma coisa. É um jogo que todo profissional gosta de assistir, trabalhar. Tenho que pensar no grupo e por vezes vou ter que mudar, mas sempre jogando de maneira limpa. As tomadas de decisão sempre são do treinador.

CAMILO NO SEU TEMPO

- Conversamo com ele e com o nosso departamento médico. Não forçamos nada para o atleta e eu respeito todos os setores dentro do clube. Quando estiver liberado é o nosso camisa 10. Nós classificamos na Libertadores, mas o Camilo fez falta no jogo.

JOEL CARLI EM EVOLUÇÃO

- Está em evolução, hoje fez o primeiro treino com o grupo. Ainda pesa um pouco a parte física. Não posso precisar quando voltará, mas está numa crescente e fico feliz com isso.

RIVALIDADE COM RESPEITO

- Acho que não podemos levar essa rivalidade para o campo. Claro que existe, mas a preocupação tem que ser o campo-bola.

OLIMPIA PELA FRENTE NA LIBERTADORES

- É um clássico. Tivemos um grande contra o Colo Colo, conseguimos passar e estamos apenas no começo. Agora teremos mais um grande desafio e é bom, amadurecemos nesses jogos como profissionais, jogadores. Lutamos bastante para conseguirmos isso e temos que querer isso o ano todo. Não posso ver uma cadeira vazia aqui na quarta-feira, eles tem que sentir o peso da nossa torcida.

JOGO LIMPO

- Prezo muito pelas coisas certas na vida e seria contrário ao que penso pedir para o Botafogo pintar o vestiário antes do jogo, por exemplo. Não cabe mais ter isso nos dias de hoje. Acredito em mudanças, temos que reivindicar. Sou totalmente contra, acho que a torcida tem que empurrar, pressionar, mas com calma.

Confira a galeria de fotos do treino desta sexta-feira nas imagens de Satiro Sodre/SSPress!

 

Marcos Silva