notícia

Vida longa, Professor!

Ricardo Gomes completa 1 ano no comando do Botafogo
Atualizado em 22-07-2016, 9:00



Ricardo Gomes está completando um ano à frente do comando técnico do Botafogo. Relação que começou após reunião realizada com o presidente Carlos Eduardo Pereira e o com Gerente de Futebol Antônio Lopes. O comandante alvinegro resolveu aceitar o convite e voltar ao futebol. Sob desconfiança, o treinador deu a volta por cima, voltou ao mercado, carregou o Alvinegro de volta à Série A na temporada passada, fez um bom trabalho na campanha que culminou com o vice-campeonato carioca este ano, e se reafirmou no cenário do futebol. Sereno, fez um balanço deste período no Time da Estrela Solitária, revelando receios iniciais, identificação com a torcida, momentos marcantes e projeções para o futuro.

O CONVITE

Sem dirigir uma equipe desde 2011, quando sofreu o acidente vascular cerebral, Ricardo Gomes, apesar de ter o desejo de retornar para o ambiente do futebol, não imaginava que seria convidado pelo Botafogo para assumir o time em meio ao desafio de conduzir o Glorioso de volta à elite. Acontece que tanto o clube, quanto o treinador buscavam uma reabilitação. Talvez este motivo tenha sido fundamental para a identificação. Ambos se abraçaram, caminharam juntos e continuam mantendo este elo firme. Hoje, um ano depois, Ricardo contou como recebeu o convite, revelando dificuldades e dúvidas.

- Fique surpreso. Eu estava com algumas dúvidas em relação à minha recuperação, se seria capaz de desenvolver meu trabalho da melhor forma. Eu não sabia se teria condições de ajudar Conversei com a minha família, me encontrei com o presidente, passei minha situação e ele resolveu apostar. Sou muito grato por isso - disse.

RECOMEÇO

Passado os questionamentos iniciais, o comandante aos poucos foi se soltando e introduzindo sua filosofia de trabalho. Correto, sincero e com vivência no futebol, ganhou o elenco alvinegro e conseguiu implantar seu conhecimento para os atletas. Com pouco menos de dois meses, a equipe já possuía a 'cara' do treinador, com marcas registradas de organização e comprometimento tático. Ricardo fez um comparativo de sua evolução e do crescimento do Botafogo desde sua chegada.

- Aos poucos fui pegando a confiança de antes do AVC. Hoje estou falando um pouco melhor. Os movimentos estão bem melhores. Mas o mais importante não é a minha pessoa. É o Botafogo. O Botafogo está crescendo. As coisas estão melhorando. Ano passado conseguimos o acesso para a Série A. Este ano, tivemos oscilações no início do Campeonato Brasileiro. Estamos evoluindo. Fisicamente e tecnicamente. O caminho é longo para colocar o Botafogo em um lugar digno de sua história. O lugar da tabela que estamos não condiz com a grandeza do Botafogo. Então vamos seguir trabalhando - avaliou.

GRATIDÃO

Sem esquecer quem o ajudou durante essa trajetória, Ricardo Gomes faz questão de mencionar positivamente o trabalho de seus auxiliares e de toda sua comissão técnica. Grato também à diretoria, o técnico conta que o respaldo de todos no clube foi fundamental para seu desenvolvimento. Outro ponto destacado pelo comandante foi a identificação com a torcida do Glorioso, fator determinante em sua recuperação e combustível a mais nos momentos de oscilações.

- Fui muito bem recebido pela torcida do Botafogo. Isso foi muito bom. Diretoria, comissão técnica e jogadores também. Me ajudaram muito. Foram muito importantes nessa minha volta ao futebol. O Luiz Otávio, Jair Ventura, Capella, Antônio Lopes...sou muito grato a todos, pois o início não foi fácil. Fui muito bem amparado - contou.

(Ricardo Gomes com seus auxiliares Luiz Otávio e Jair Ventura, durante o treino do Botafogo. Foto: Vitor Silva / SS Press / Botafogo)

MOMENTO MARCANTE

Dono de uma carreira vitoriosa, tanto como jogador, quanto como treinador, Ricardo Gomes lembrou com carinho de alguns momentos à frente do clube. Pelo desafio e momento de dificuldade encontrado pela instituição, citou o título da Série B como a situação mais gratificante até então. Por outro lado, acredita que este feito ficou no passado e fez projeções vitoriosas para o futuro, valorizando o aproveitamento de atletas da base e acreditando que a manutenção deste trabalho possa elevar o Alvinegro ao topo de todas as competições.

- O título da Série B foi o momento mais marcante. Antes de chegar eu já tinha a visão do clube. A gigantismo que existe aqui. Eu vi anos gloriosos do Botafogo, com toda aquela geração que conquistou o mundo. As coisas mudaram. E nosso dever é colocar o Botafogo novamente neste patamar. Hoje contamos com uma boa formação de atletas, são 16 jogadores em nosso elenco revelados nas categorias de base. Esse trabalho a médio prazo vai colocar o Botafogo outra vez entre os maiores do país - analisou.

MANUTENÇÃO DO TRABALHO

No início do Campeonato Brasileiro deste ano, Ricardo Gomes foi procurado pelo Cruzeiro, mas preferiu dar sequência em seu trabalho no Glorioso. Com gancho na continuidade de sua função, reforçou a valorização da diretoria do Botafogo com o profissional de futebol, afirmando que uma eventual saída não seria interessante para ambos os lados, uma vez que sua ideologia já havia sido implantada e rendia frutos, apresentando resultados satisfatórios.

- A gente reclama no Brasil sobre a falta de estabilidade do treinador. Eu recebi uma proposta para sair. Mas não seria bom para mim, nem para o Botafogo. O que vale é o trabalho que vem sendo feito. Resolvi apostar nisso. O clube resolveu apostar em mim. Aqui tenho relacionamento com jogadores e comissão técnica. Este entendimento faz a diferença e tem que ser alimentado - afirmou.

REAFIRMAÇÃO NO CENÁRIO

Se havia alguma dúvida sobre seu rendimento, hoje, 365 dias após seu retorno aos gramados, Ricardo Gomes deixou de ser incógnita e voltou a ser realidade no cenário do futebol, sendo respeitado não só pelos seus grandes feitos no passado, mas também pelo seu trabalho atual no Botafogo, que dentro de um calendário apertado, sem muito tempo para treinar, sofrendo com desfalques por conta de lesões e suspensões, consegue arrumar a equipe jogo a jogo e implantar uma mentalidade vencedora, extraindo o melhor do elenco e passando confiança para os atletas.

Em sua auto-crítica, o comandante afirmou que não está preocupado com rótulos e elogios sobre seu retorno, reiterando sua tarefa principal, que é colocar o Glorioso brigando por títulos. Humilde, contou que independente de julgamentos, se seu trabalho estiver apresentando resultados, estará com a consciência tranquila e com a sensação de dever cumprido.

- Não estou preocupado com isso. Sinceramente, nem penso nisso. Minha preocupação é com o Botafogo. Meu melhor tem que ser o melhor para o Botafogo. O clube tem que estar melhor agora do que quando entrei. Este clube é muito grande no cenário nacional, então é meu dever participar deste crescimento. Minha vontade é ver o Botafogo brilhando, disputando títulos. Aí sim estarei satisfeito - comentou.

LAÇOS UNIDOS

Por fim, voltou a agradecer a torcida do Botafogo, revelando que esta relação de carinho alimenta sua vontade de vencer. Ricardo contou que trabalha todos os dias para corresponder as expectativas vindas das arquibancadas, encarando com naturalidade todo tipo de cobrança e entendendo a paixão do torcedor.

- Agradeço ao torcedor por todo esse carinho. Isso é o que vale. Caso contrário não estaria aqui. Como em qualquer relacionamento de amor, há cobranças. Faz parte. Então tenho que retribuir. Respeito muito a torcida, conto com o apoio no estádio. Nosso reconhecimento sempre vai existir. Tudo que eu faço aqui, certo ou errado, é para o torcedor do Botafogo - finalizou.

Neste um ano comandando o Botafogo, Ricardo Gomes já dirigiu a equipe 62 vezes, com 32 vitórias, 15 empates e 15 derrotas. Esperamos que esta data se repita mais vezes e que o trabalho continue evoluindo, conduzindo o Fogão para o caminho das vitórias. Valeu, Ricardo!

Fernando Morani