notícia

Muito crédito

Jefferson vira a página do primeiro jogo e segue confiante na conquista do Carioca
Atualizado em 04-05-2016, 14:07

Uns classificam como erro, outros como infelicidade e Jorge Henrique, autor do gol vascaíno no primeiro jogo da final do Estadual, sequer considera falha. As interpretações são muitas e o único incontestável é que Jefferson é um grande goleiro, ídolo e peça fundamental dentro e fora de campo no Botafogo. O capitão atendeu à imprensa, sempre ávida por uma resposta bombástica. Mas não, Jefferson foi sereno, classificou o Botafogo como sua seleção e garantiu que não faltará suor pela conquista do Campeonato Carioca.

- É difícil pra todo mundo. A gente se prepara, treina e sabemos que isso é coisa do futebol. O goleiro pega dez bolas boas, mas a que deu errado vai ser lembrada. Isso é o futebol. Claro que no dia foi difícil, mas já superei. Fiz grandes jogos pelo Botafogo e agora aconteceu. Vou continuar trabalhando - disse o capitão do Botafogo.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Jefferson:

RESPONSABILIDADE DIVIDIDA

- A gente já fala há bastante tempo da questão do rendimento em campo, aproveitar as oportunidades. Não sou o cara de jogar responsabilidade e isso tem que ser dividido com a comissão técnica e todo mundo. Todos tem que assumir. Quando ganha é todo mundo e quando perde também.

FRAÇÃO DE SEGUNDOS

- Não digo falha, foi uma infelicidade. Naquele momento eu decidi sair na bola, mas sabia que não chegaria na bola. Sabia do risco, assim como em outros lances que fiz e deu certo. São riscos que você corre no meio da partida. Goleiro não pode ficar no meio do caminho. Ou você sai ou fica.

JOGO DE PACIÊNCIA

- A gente sabe que a vitória por um gol de diferença leva para os pênaltis. Fizemos um jogo estratégico contra o Fluminense na semifinal e vamos ter que fazer isso contra o Vasco. Sei que vamos dar bastante trabalho para eles e vamos entrar para vencer. Vamos fazer um grande jogo no domingo.

SEM AFOBAÇÃO

- Temos que tomar cuidado também. Muito excesso de vontade às vezes não dá certo. Treino todos os dias e sou um dos primeiros a vir concentrar. Se pegarmos os últimos jogos eu pude fazer boas defesas. Foi uma bola e tenho que manter a tranquilidade, equilíbrio e trabalho bem feito. Claro que o torcedor fica apreensivo até pelo carinho deles comigo, mas não vai ser por uma bola que vamos mudar tudo.

VOLTA DE JOEL CARLI

- A gente ganha em vários aspectos. Pela confiança, bola parada... É um cara que já conquistou o carinho dos torcedores e está super à vontade. Vai nos ajudar bastante e agrega experiência.

A ESTRELA MAIOR É O FOGÃO

- O heroi tem que ser o Botafogo. Claro que alguém vai se destacar, mas sou um cara com os pés no chão e estou preocupado com o título. Se tiver que ser eu vou estar feliz, mas temos que estar preparados para os 90 minutos e para a decisão nos pênaltis.

CONCENTRAÇÃO TOTAL

- O que vai ser determinante é a força da nossa equipe. Estamos fazendo grandes jogos e a paciência durante a partida vai nos ajudar, além das oportunidades que temos que aproveitar. Não podemos desperdiçar, sair ganhando facilita o controle do jogo. Teremos que ser frios.

SELEÇÃO BRASILEIRA

- Não adianta querer esconder...Fico na expectativa para ser convocado, mas também chega o momento que é virar a chave. Preciso dar mais atenção ao Botafogo, aqui é minha casa. A minha seleção é o Botafogo.

BOTAFOGO NO CAMPEONATO BRASILEIRO

- Esse é um ano totalmente diferente de 2014. Hoje temos uma estrutura e financeiramente o clube está se acertando. Temos tudo para fazer um grande brasileiro. Temos que nos unir bastante e dar o nosso melhor durante toda a competição.

ARENA BOTAFOGO

- sabemos das dificuldades dos clubes do Rio e foi importante para nós permanecermos aqui. Esperamos que o nosso torcedor continue comparecendo nos estádios. Quem faz a casa é a torcida.  Em 2005 jogamos na Arena da Ilha, fizemos bons jogos lá e acho que foi uma boa escolha para nós.

Confira a galeria de fotos do treino desta quarta-feira nas imagens de Vítor Silva/SSPress!
 

Marcos Silva