notícia

Tu És o Glorioso - 29

Em 1966, Fogão vencia Vasco em jogo decisivo do Rio-São Paulo
Atualizado em 30-04-2016, 10h00

Por Auriel de Almeida - Historiador

O Torneio Rio-São Paulo de 1966 é conhecido por um incrível empate de quatro equipes na primeira colocação: Botafogo, Santos, Vasco da Gama e Corinthians, todos proclamados campeões. Isso foi possível graças a uma curiosa combinação de resultados, e à determinação das federações carioca e paulista de dividir o título por falta de datas para realizar jogos-extras.

Os quatro clubes eram os únicos com chances de título na última rodada, e realizaram dois confrontos diretos: o Vasco, com onze pontos ganhos e líder momentâneo, enfrentou o Botafogo, na quarta posição com nove pontos; Corinthians e Santos, empatados na vice-liderança com dez pontos, fizeram o outro jogo. O Glorioso, portanto, só poderia ser campeão se vencesse o Cruzmaltino e os rivais paulistas empatassem. E fez a sua parte jogando muita bola.

O Jogo

Mais de 70 mil pessoas foram assistir à partida entre os tradicionais rivais, no Maracanã, e comemoraram quando as rádios anunciaram que o jogo entre Santos e Corinthians terminou empatado em 0 a 0 - o clássico carioca definiria o título. E o Vasco da Gama, precisando apenas de um empate, estava em situação mais confortável.

O primeiro tempo começou com o Vasco a mil. Embalados por uma eufórica torcida, que recebeu o time aos gritos de "campeão", os vascaínos chegaram muito perto do gol alvinegro, com boas jogadas de Tião. Contudo, aos poucos o Botafogo equilibrou as ações, e a partida ficou amarrada no meio de campo, com leve superioridade dos botafoguenses Gérson, Élton e Parada sobre os rivais Danilo, Zezinho e Maranhão. E quando parecia que a etapa terminaria sem gols, o craque Jairzinho aproveitou um descuido da defesa do Vasco e marcou de cabeça: 1 a 0 para o Glorioso, aos 43 minutos.

Precisando agora da vitória para ficar sozinho com o título, o técnico vascaíno Zezé Moreira fez uma mudança arriscada: deslocou Zezinho para o ataque, deixando a intermediária com apenas dois jogadores. A mudança teve efeito contrário, pois os alvinegros Gérson e Parada fizeram a festa no verdadeiro clarão aberto no meio de campo vascaíno, descolando lançamentos para o ataque botafoguense. E após um desses passes, Jairzinho fez o seu segundo gol na partida, logo aos 12 minutos: 2 a 0.

O Vasco quase diminuiu no lance seguinte, quando Manga espalmou uma violenta batida de falta para a frente e a zaga travou o rebote adversário, na melhor chance da equipe cruzmaltina na etapa. Pouco depois, foi a vez do Botafogo ter uma falta perigosa a seu favor, quando Jairzinho foi derrubado na entrada da área - os botafoguenses chegaram a pedir pênalti, mas o árbitro apitou corretamente o lance.


Contratado pelo Botafogo em 1966, o ex-jogador do Bangu Parada teve ótima atuação na vitória alvinegra


Na cobrança, Parada contou com uma "ajudinha" do goleiro Amaury, que chegou atrasado numa falha clamorosa: 3 a 0 para o Glorioso, aos 17 minutos da etapa final. E o Bota poderia ter feito mais nos minutos seguintes com Jairzinho, que em tarde inspirada dava um verdadeiro "baile" na zaga vascaína - especialmente em Brito, que fazia partida atípica. Mas contra um Vasco inoperante, que já parecia entregue, o Botafogo diminuiu o ritmo e passou a administrar o placar. E o jogo terminou com a inusitada cena de duas torcidas gritando "é campeão" ao mesmo tempo...

== Ficha técnica ==

Domingo, 27 de março de 1966
Botafogo 3 x 0 Vasco – Local: Maracanã
Campeonato Carioca – Rodada final

Botafogo: Manga, Paulistinha, Zé Carlos, Dimas e Rildo; Élton e Gérson; Jairzinho, Bianchini (Zélio), Parada (Sicupira) e Roberto Miranda (Afonsinho). Técnico: Admildo Chirol.

Vasco: Amaury, Joel, Brito, Ananias e Oldair; Maranhão e Danilo Menezes; Zezinho (Luizinho), Picolé (Lorico), Célio e Tião. Técnico: Zezé Moreira.

Árbitro: José Mário Vinhas.
Gols: Jairzinho no 1º tempo; Jairzinho e Parada no 2º tempo;

Público: 69.960 pagantes