notícia

Na ponta dos cascos

Departamento Médico destaca sala vazia antes da reta final do Estadual
Atualizado em 21-04-2016, 11:28

O Botafogo chega à fase final do Estadual com um fator muito positivo para o treinador Ricardo Gomes. Com um trabalho integrado, o Departamento Médico alvinegro está vazio e o treinador conta com grande parte das suas opções para o jogo contra o Fluminense. Airton, em fase final de recuperação, alterna trabalhos entre a fisioterapia e a transição para o campo.

Mas nada acontece por acaso. Quem explica é Flavio Meirelles, Coordenador de Fisioterapia do Botafogo. O profissional ainda conta com o auxílio dos fisioterapeutas Guilherme Bianchi e Fabio Azevedo, ambos se dividem no atendimento aos atletas e fazem uma das pontas de um trabalho muito bem amarrado com a fisiologia e a preparação física.

- O Botafogo trabalha com um modelo muito diferente de outros clubes. Temos uma interação muito boa. O atleta chega ao clube sendo avaliado pelo departamento médico e fisioterapia, mas logo em seguida ele já faz um trabalho integrado com a preparação física. Acho que essa conversa bem feita, o adequamento dos treinamentos e a ordem do dia a dia facilita com que o atleta, além de se recuperar de uma lesão de forma mais rápida, possa ter o metabolismo num bom estado de trabalho para ajudar na manutenção do condicionamento físico - explicou o Fisioterapeuta, que destacou a união do trabalho com os demais departamentos do clube.

O futebol é um esporte de contato e fatalmente algum jogador está sob os cuidados dos fisioterapeutas, seja por lesão ou trauma. Os riscos de perda são minimizados com trabalhos preventivos e acompanhamento diário dos atletas. Flavio Meirelles fala sobre a dinâmica e compara o sistema com os jogadores com os carros de F-1.

- Os jogadores são como carros de F-1. Nós os preparamos para uma demanda de esforço, impacto, multidireções... Tudo que envolve o futebol. Mas ao mesmo tempo nós sabemos que o carro também pode derrapar e errar algumas curvas. Ficamos bem felizes quando acaba um jogo e um atleta em fase final de recuperação termina bem. O nosso atleta tem alta da fisioterapia, mas segue conosco por mais duas ou três semanas fazendo um trabalho de manutenção. Não existe a barreira do Departamento Médico para a Preparação Física. Não é da boca pra fora, fazemos realmente essa transição entre os setores - destacou Meirelles.

O Botafogo enfrenta o Fluminense no domingo, às 19h, em Volta Redonda com o elenco na ponta dos cascos e, principalmente, sem baixas importantes.

- Conversamos muito sobre prazos e jogos subsequentes. Calculamos algumas situações para que o Ricardo contasse com a maioria dos atletas para a reta final. Claro que no meio do caminho isso pode mudar, mas aqui nós conseguimos ter quase todos os atletas à disposição - finalizou Flavio Meirelles.

Marcos Silva