notícia

É clássico

Ricardo Gomes vê duelo de gigantes e projeta jogo difícil contra o Bahia
Atualizado em 30-10-2015, 14:08

Jogo contra o Bahia sempre é difícil. O treinador Ricardo Gomes sabe bem disso e classificou o confronto como um clássico entre campeões brasileiros. A torcida alvinegra está fazendo o seu papel e indica que apoiará o time em massa, prova disso foram os mais de dez mil ingressos vendidos antecipadamente para o jogo de sábado, às 17h10, no Estádio Nilton Santos.

- Temos que jogar muito bem e é um clássico seja em qualquer série. O Bahia é um bom time e já conquistou o baiano esse ano. Eles podem subir e será um grande jogo. Se não jogarmos bem será difícil. Infelizmente as duas equipes estão na Série B, mas ambos já conquistaram o título da primeira divisão. Espero que os mesmos subam - disse o treinador.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva do treinador Ricardo Gomes:

DÚVIDAS NO TIME: CARLETO E NAVARRO

- O Carleto começou ontem a treinar normalmente, mas o Navarro ainda não. Vamos ver as reais condições antes da partida. O Carleto está muito bem e o Navarro só saberemos antes do jogo.

SASSÁ MAIS QUE CONFIRMADO

- É difícil de não jogar, né. Tem esse histórico no futebol e como explicar um cara que fez três gols ficar na reserva? A parte tática dele foi muito bem executada durante a semana e o Sassá joga. Eu não falei nada sobre o Neilton. Temos o Lulinha também e já fizemos essa opção. O Sassá joga, mas não falo muita coisa para não ficar muito fácil para vocês jornalistas.

PROMESSA DE MUITOS GOLS

- Espero que tenham muitos gols. E do Botafogo. A nossa cabeça é fazer o maior número e não sofrê-los. Sabemos das qualidades ofensivas do Bahia e teremos que redobrar a atenção. O Botafogo nunca foi defensivo, carrega isso na sua cultura. O Bahia também é ofensivo e a promessa é de muitos gols.

CAIXINHA DE SURPRESA

- Não facilita. É diferente. Um clássico pode acontecer de tudo e tentar adivinhar esse jogo é muito difícil. Nos preparamos para tudo, mas antecipar é difícil. E olha que eu era zagueiro.

MUITA CALMA NESSA HORA

- Penso sempre nos três pontos. O discurso é cansativo, mas verdadeiro. Não vai ser fácil e deixamos para fazer as contas apenas nas duas últimas rodadas. Espero não ter que fazer isso.

A TORCIDA VALE MUITO

- Sem público não tem por que estarmos aqui. Ainda bem que teremos casa cheia. Na minha infância eu via o Botafogo no Maracanã com 80 mil pessoas. O jogador tem que estar preparado para 10, 20 ou 60 mil pessoas. Se o jogador não tem esse suporte deve mudar de profissão. A concentração deve ser ainda maior e sem ansiedade.

CONCENTRAÇÃO MÁXIMA

- Quando você forma um grupo é possível mudar algumas características, outras não. O Botafogo tem que estar concentrado para praticar um bom futebol. Um exemplo disso foi o jogo contra o Ceará, quando isso não aconteceu.

PRIMEIRO A CLASSIFICAÇÃO

- Nós temos que nos classificar. Eu tive essa conversa com os jogadores e a nossa obrigação inicial é essa. A nossa cabeça hoje está na classificação. Não quero saber se pode ser alcançada nessa ou na outra rodada. Após disso vamos pensar em outra coisa.

NÃO É A HORA

- Temos um bom elenco e a maioria desses jogadores podem atuar na Série A. Essa discussão de quem fica ou sai do clube só acontece após a classificação.

Confira a galeria do treino desta sexta-feira nas imagens de Vitor Silva/SS Press:



Marcos Silva